Prefeitura de Salvador quer adquirir vacina russa com recursos próprios

Maria Angélica de Carvalho Sobrinha, 53 anos, foi a primeira pessoa a ser vacinada contra a Covid-19 em Salvador. Enfermeira intensivista do Hospital Couto Maia, ela recebeu a primeira dose da Coronavac nas Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), no Largo de Roma, em uma solenidade histórica que aconteceu na manhã de hoje (19) e que marcou o início da campanha de vacinação contra o novo coronavírus na capital baiana. 

Estiveram presentes no ato o prefeito Bruno Reis, o governador Rui Costa e os secretários municipal e estadual de Saúde, Leo Prates e Fábio Villas Boas, respectivamente, entre outras autoridades. Também receberam as doses da Coronavac Lícia Pereira Santos, de 86 anos, paciente de longa duração das Osid; Uenderson Araújo, 30 anos, médico do Samu de Salvador; e Deisiane Tuxá, 31 anos, enfermeira no município de Rodelas e representante de comunidade indígena. 

“Esse é um dia em que renovamos as nossas esperanças na vida. Não poderíamos iniciar a vacinação em outro lugar que não fosse aqui, nas Osid, por todo simbolismo e tudo que a nossa Santa Dulce representou para nós, baianos e soteropolitanos. Durante sua vida, ela salvou milhares de pessoas, o que é o objetivo dessa campanha: salvar milhões de vidas”, disse Bruno Reis. 

Ele lembrou que as Osid possuem idosos e profissionais de saúde que atuam na linha de frente contra a Covid, ou seja, parte do público alvo da primeira fase da campanha de vacinação, segundo recomendação do Ministério da Saúde. Com a remessa de cerca de 42 mil doses da Coronavac enviada pelo governo federal, 21 mil idosos abrigados em instituições de longa permanência do município e trabalhadores de saúde que atuam diretamente no combate ao novo coronavírus serão imunizados em duas aplicações, num intervalo de 14 dias entre elas. 

“Nesse momento, ainda não vamos iniciar a vacinação nos postos de saúde, porque não temos doses suficientes da vacina para isso. Dessa forma, a estratégia da Prefeitura será ir até esse público prioritário nas instituições de longa permanência e unidades de saúde que atuam diretamente no enfrentamento à Covid-19. Esperamos que mais remessas da vacina cheguem logo para intensificarmos a campanha, pois Salvador está pronta para isso”, afirmou o prefeito, lembrando que o município dispõe de todos os insumos e estrutura para a imunização. 

Sputnik – Na solenidade, Bruno Reis agradeceu ao governo federal pelo envio das cerca de 42 mil doses da Coronavac, bem como ao Estado pela rápida distribuição da vacina, que desembarcou no final da noite de ontem (18) na capital baiana. O prefeito, no entanto, disse que a vacinação precisa ser acelerada com o envio de mais doses, e apoiou a ação do governo do Estado junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que a vacina russa Sputnik possa ser distribuída no Brasil. 

“A aquisição de vacinas é hoje um problema mundial. Por isso, a Prefeitura se associa ao Estado nessa luta e também está disposta a utilizar recursos próprios para a aquisição da Sputnik. Somente com a imunização das pessoas vamos conseguir retomar a normalidade. Graças à pandemia, Salvador, que estaria vivendo agora o seu melhor verão, teve que se reinventar”, declarou Bruno Reis. 

Segundo o governo do Estado, o Brasil pode receber 10 milhões de doses da Sputnik, vacina que, embora já esteja sendo aplicada em países como a Argentina, não foi liberada pela Anvisa. Por isso, o Estado ingressou com uma ação no STF, que tem como relator o ministro Ricardo Lewandowski. 

“Esperamos que o STF acate nosso pedido para que possamos acelerar a vacinação com o uso da Sputnik, por meio da parceria com um laboratório brasileiro. Temos contrato com esse laboratório, mas não há qualquer obstáculo para que a própria União possa assumir a importação dessas vacinas. O ideal é que a gente possa usar várias vacinas”, disse Rui Costa.         

Campanha – A expectativa da Prefeitura é imunizar hoje (19) cerca de 2,5 mil pessoas entre idosos abrigados nas Osid, além dos trabalhadores que atuam na Base Central do Samu 192, no Pau Miúdo, na UPA e Gripário de Pirajá/Santo Inácio, bem como na UPA e Gripário Barris, na UPA e Gripário Brotas, no Hospital Municipal de Salvador (HMS) e no abrigo Dom Pedro II.

Para o início da estratégia no município, o governo federal encaminhou cerca de 42 mil doses da Coronavac. Esse quantitativo tem a capacidade de proteger cerca de 21 mil pessoas, uma vez que o imunizante prevê uma dose de reforço após 14 dias da primeira aplicação.

Para essa primeira remessa, está previsto a imunização dos idosos abrigados em instituições de longa permanência do município e trabalhadores da saúde que atuam na rede de urgência e assistência direta aos pacientes com o novo coronavírus (UPAs, Gripários, Samu 192 e hospitais, incluindo os de campanha).

A estratégia utilizada para essa primeira remessa será através de 11 equipes volantes nos próprios locais selecionados. Por isso, a população não deve se direcionar a nenhum ponto de vacinação neste momento. A programação segue recomendação de informe técnico emitido pelo Ministério da Saúde.

Um cronograma será construído diariamente na capital, de acordo com a disponibilidade de vacinas. A cada nova remessa encaminhada ao município, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) ampliará a imunização dos grupos prioritários. Entre o público considerado prioritário, a Prefeitura espera vacinar, nos 12 distritos sanitários da cidade, 571.847 pessoas.

Fonte: Informe Baiano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *